Santo António de Lisboa, de Pádua, dos enamorados

Sejamos populares e saibamos recordar Santo António um santo canonizado pelo Papa Gregório IX em 30 de maio de 1232 mas o dia festivo que o lembra no espaço de expressão portuguesa no Brasil é todos o sabemos o 13 de junho o primeiro das Festas dos Santos Populares.

Tendo nascido em Lisboa, talvez a 15 de agosto de 1195 é filho de Martinho de Bulhões e Maria Tereza Taveira e foi batizado como Fernando de Bulhões.

Adolescente, entrou como noviço no Mosteiro de São Vicente de Fora, estudou depois no Mosteiro de Santa Cruz de Coimbra, mostrando uma formação filosófica e religiosa pouco usual para a época mesmo entre religiosos.

Por se sensibilizar com os despojos dos frades franciscanos venerados então no Mosteiro de Santa Cruz após serem martirizados numa missão no Marrocos, por tentarem cristianizar os islâmicos junta-se à ordem e recebe o hábito de São Francisco no Convento de Olivas, em Coimbra, onde obtém o nome de António.

Numa tentativa de ir ele também a Marrocos, adoece e no retorno para Portugal, barco onde ia é arrastada por uma tempestade e vai parar à costas da Sicília, acabando por se instalar no Convento de Messina.

Em 1221, o frei Antônio viaja para Assis para participar do “Capítulo da Ordem dos Franciscanos” e em 1222 é convidado para a ordenação sacerdotal em Forli, depois de sermoes que lhe dão fama de grande dom da oratória e dd demonstrar um profundo conhecimento da Bíblia.

Orientado para difundir a doutrina cristã na região da Lombardia onde fica até 1224 sendo transferido para Bolonha, para lecionar Teologia na Universidade tendi lecionado ainda em França nas universidades de Toulouse, Montpellier e Limoges.

No final de 1227 retornou à Itália e até 1230 onde assistiu os traslados dos restos mortais de São Francisco, o seu mestre da Igreja de São Jorge para a nova basílica e certamente por influência de solicita ao papa a dispensa de suas funções no cargo Provincial, para dedicar-se à pregação e contemplação, permanecendo no mosteiro que havia fundado em Pádua.

Dele contam-se milagres desde criança Santo Antônio realizava milagres e que o menino Jesus lhe aparecia em seus momentos de oração e ainda que ele tinha o poder de estar em dois lugares ao mesmo tempo, para resolver problemas embaraçosos.

Santo venerado por aqueles que procuram um parceiro para casar é em Lisboa o “santo casamenteiro."

Serviu de mediador junto à prefeitura de Pádua o que permitiu um decreto que tornou menos cruel a condição dos que deviam e não conseguiam pagar suas dívidas.

 

Retira-se entretanto para o eremitério de Campo Sampiero, em Arcela, nos arredores de Pádua e falece em Pádua, Itália, no dia 13 de junho de 1231.

O culto Antonino só chega a Portugal com a sua canonização pois com ela nasce a lenda dd no mesmo dia em que Gregório IX o canonizava na catedral de Espoleto, os sinos de Lisboa começaram a tocar sem que ninguém lhes mexesse e quando a notícia da sua canonização cá chegou, e porque os franciscanos o divulgaram junto do povo, é neste dia que se celebra o feriado municipal da cidade, como se do seu Padroeiro se tratasse.

Da sua primitiva igreja de Santo António, vinda do reinado de D. Sancho II, destruída pelo terramoto de 1755, salvou-se a capela-mor com a estátua do santo

A actual igreja mandada construir por Paulo de Carvalho, irmão do Marquês de Pombal, em estilo barroco, teve como arquitecto Mateus Vicente, que também projectou a Basílica da Estrela e foi parcialmente paga pelas crianças que pediam “um tostãozinho para o Santo António” e por tal a razão dos peditórios a Santo António .

É representado geralmente com um livro numa mão, símbolo da sua sabedoria, os artistas tiveram de pôr Jesus sentado ou em pé sobre o livro.

Normalmente na imagetica construída os seus pés não estão juntos, mas um à frente do outro, como se a caminhar”, pois como pregador andou de terra em terra, chegando a atravessar os Alpes a pé, para difundir a palavra de Deus.

Na tradição popular se as moças que lhe pedem um noivo vêm que ele se demora a arranjá-los, batem-lhe, viram-no de cabeça para baixo, atiram-no pela janela, põem-lhe cera na cabeça, enforcam-no, tiram-lhe o Menino, etc…Os marinheiros levavam-no consigo nas viagens, e muitas vezes mergulhavam-no no mar, para que Ele lhes evitasse as tempestades.

Entre os inúmeros e ingénuos milagre relata-se este passado em Itália onde uma senhora que tinha dado à luz um lindo menino, viu o marido extremamente ciumento, a recusar assumir a paternidade da criança, por a sua mulher o ter atraiçoado e indo ter com Santo António que se virou para o recém-nascido e lhe pediu que dissesse quem era o seu pai e o menino estendeu os bracinhos para o marido ciumento, dizendo “Eis aqui o meu pai” cena relatado em quadro de Girolamo de Carpi, em 1530 que se encontra na Pinacoteca de Ferrara.

Em França, fez com que uma burra se ajoelhasse para adorar a hóstia, mas também Ressuscitou os mortos, curou leprosos e epilépticos, restituiu os cabelos a uma senhora a quem o marido os tinha arrancado, pregou aos peixes, e teve também o dom da ubiquidade, pois por duas vezes pelo menos, estando a pregar em Pádua, calou-se de repente, baixou a cabeça, e de uma delas veio a Portugal salvar o pai da forca, e da outra, foi orientar os meninos do coro de um convento, retomando depois o sermão normalmente.

Na Basílica de Pádua onde estará o seu túmulo, estão gravados em baixo-relevo, alguns dos milagres que lhe foram atribuídos, e uma série dos melhores pintores e escultores das escolas italianas, tais como Giotto, Donatello, Bellini, Tiziano, André Ricci ou Bellano, entre outros, deram a sua contribuição para a decoração da igreja.

Quando em 1263 os seus restos mortais foram trasladados para a nova basílica, em Pádua, encontrou-se a sua língua intacta, por entre os ossos do seu esqueleto. Está guardada dentro de um relicário nessa mesma basílica.

Hoje parece que os milagres serão poucos mas afilhado que sou dele ( razão a ver com o catolicismo de minha mãe ) reconheço não poucas situações onde só a sorte ou mais um e mais um milagre do padrinho me mantiveram vivo sendo possível que mais seus afilhados tenham sentido o mesmo !

Milagre Sim? Milagre Não? O povo acha que Sim mesmo hoje !

Joffre Justino

 

Share

Últimos artigos

Be the first to comment on "Santo António de Lisboa, de Pádua, dos enamorados"

Leave a comment

Your email address will not be published.


*